A vida vai ficando cada vez mais dura perto do topo…

 

Salve meus queridos amigos, Teurge na área.

Hoje estamos trazendo a parte que, na grande maioria das vezes, é a mais emocionante, é o momento onde os jogadores ficam mais apreensivos e ao mesmo tempo, mais entusiasmados, o auge da história, o véu é retirado dos olhos dos jogadores, a sombra que permeia a história se revela e mostra sua verdadeira face, estamos falando do Clímax, a parte que apresenta o acontecimento máximo, o fato mais relevante.

O Mestre / Narrador tem em suas mãos, infinitas formas de criar um bom clímax para os seus jogadores, podemos ir da clássica versão onde é apresentado o grande vilão da trama, onde ele revela seus planos malignos de destruição do mundo, até as tramas onde aquele NPC que estava junto do grupo e parecia ser uma pessoa inofensiva, na verdade era o verdadeiro inimigo do grupo, estudando o comportamento dos personagens para obter vantagens ou usá-los como parte de seu ideal de se tornar o rei tirano de um país.

Independente do que se use como pano de fundo para esse momento, tenha sempre em mente uma coisa , explore o FATOR SURPRESA, isso mesmo, quando os jogadores não sabem o que esperar, a história ganha mais tensão, os mesmos, ficam apreensivos e na expectativa do que vai acontecer. O que tem no final da sala? Quem é a persona que está causando todo esse sofrimento ao povo da cidade? Que tipo de criatura consegue arrancar a metade de uma homem com apenas um golpe?

Citei alguns exemplos de como você pode usar o fator  surpresa para atingir um excelente grau de clímax e deixar seus jogadores extremamente satisfeitos, é óbvio que se você é um narrador iniciante, não se cobre tanto caso o clímax não saia como esperado, isso acontece com a gente também tá, é totalmente normal e faz com que você ganhe experiência e aprenda o tempo certo para usar o clímax. e outra parte legal dessa estrutura é que cada Mestre / Narrador tem um jeito diferente de usá-lo, alguns usam vilões, outros usam locais, mas podemos usar praticamente tudo que estiver na nossa imaginação para criarmos uma boa narrativa de RPG.

Enfim, espero ter elucidado um pouco sobre como o clímax funciona dentro de uma narrativa de RPG, e no próximo artigo iremos trazer o Desfecho a parte final de uma estrutura narrativa.

Bem pessoal, eu vou ficando por aqui, um abraço a todos e boas rolagens.

 

“Meus dias são um só clímax: vivo à beira.”

Clarice Lispector

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *